quinta-feira, 7 de julho de 2011

Filme 4#: Cisne Negro (E outros devaneios)

Estava eu aqui, logo que terminei de estudar, pensando em nada, criando coragem para desligar o pc. E daí que a força do hábito me condena: olhei pra trás, procurando alguém que deixou a gostosa lembrança de 18 dias passados no mês de junho desse ano, meu eterno Amor.

Sinto falta de acordar de manhã e vir acordá-lo, de chegar em casa e encontrá-lo lendo, de fazer minhas refeições com ele, de passar vergonha na rua de tanto rir. São coisas tão simples, mas percebo que só sou realmente feliz com ele.

Vai chegar logo o dia em que não terei mais que dizer até logo por muito tempo. E eu espero ansiosa, ele sabe, por esses dias. Serão dias em que eu terei certeza de que nunca vão me faltar motivos para sorrir.











Cisne Negro (Black Swan)

Elenco: Natalie Portman, Mila Kunis, Winona Ryder, Vincent Cassel, Barbara Hershey, Benjamin Millepied.

Direção: Darren Aronofsky

Gênero: Suspense

Duração: 108 min.

Distribuidora: Fox Film

Estréia: 04 de Fevereiro de 2011

Filmes como Cisne Negro merecem uma análise imediata, apesar de ainda superficial, o mais cedo possível após ser assistido. Para que não se perca nenhum detalhe dos sentimentos que a trama desperta de forma tão forte.

Black Swan fala sobre a trajetória de uma jovem e perfeccionista bailarina que almeja nada menos que o topo, a glória de uma rainha. Em meio a sua busca frenética surge então a sua chance de mostrar do que é capaz, no caso como rainha dos cisnes.

O fato é que muito além de uma interpretação de dois cisnes com personalidades antagônicas, um sendo bom, doce e inocente, e o outro mau, envolvente e mortal, a personagem se perde em meio a pressão e o desejo de ser perfeita, confundindo a história com sua vida real. Sem contar que, dentro de todo esse universo, a competição a torna paranóica e faz com que sua realidade seja alterada.

Nina, vivida por Natalie Portman, torna-se agressiva e tem diversas alucinações, como as em que seu corpo sobre metamorfoses onde vê penas nascendo em suas costas e braços, e as em que supostamente mata sua rival Lilly (Mila Kunis), confundindo constantemente a realidade com a ilusão.

O filme de suspense trás à baila o perfeccionismo, conflitos de sexualidade, a competição, e a quebra de limites, tudo para que sejam alcançados seus objetivos. Neste caso, um caminho sem volta.

Acho que só por eu não pegar a sinopse de um site, e fazer a minha própria, deu pra perceber que o filme é fantástico, complexo e fantástico.

Recomendo.

Um comentário:

Deyse disse...

Gostei muito da primeira parte do post, minha Helen! Tu e esse teu amor incurável e eterno. Lindo :D

A sinopse é que, apesar de ser a tua cara/tua escrita, me trouxe más lembranças. :( Lembranças do filme. Céus! Não acho que ele seja ruim, pelo contrário, ele é bom até demais. Eles conseguiram me perturbar e me deixar em choque por horas. Tive que dormir uma boa noite de sono pra esquecer as partes de mais agonia. Não sei se chamo o efeito do Cisne Negro de catarse ou trauma. hauhauha Mas, com certeza, vai demorar pra algum filme mexer tanto comigo!



Beijooo, amor :** :)
Não me esqueça!